ding.TING : projeto open source para bibliotecas

Conheci hoje [dica do @trmurakami] o ding.TING, um projeto dinamarquês open source para OPAC de bibliotecas que foi apresentado no Congresso da IFLA de 2012. Aqui é o post do Blog Viva Biblioteca Viva onde tem a entrevista com Rolf Halpe, diretor da Biblioteca de AARHUS, na Dinamarca e aqui é o site oficial do projeto.

Na verdade, Ting é a iniciativa pra criar sistemas compartilhados para bibliotecas públicas da Dinamarca e Ding é o CMS baseado em Drupal, segundo este post que fala sobre o projeto e em cujos comentários há exemplos de uso.

Basicamente a única coisa que entendi do site do projeto foi o botão para download, então resolvi arriscar.

A instalação segue os mesmos passos de uma instalação padrão do Drupal 6, com a diferença que é necessário escolher o perfil Ding!:

Selecionar perfil de instalaçãoting-selecionar-perfil-instalacao
Selecionar perfil de instalação

Depois de instalados os módulos do Drupal, apareceram outras configurações a serem feitas:

1 Ting configuration: pelo que eu entendi, essas opções são para integrar com dados do DBC (Dansk BiblioteksCenter – Centro de Bibliotecas Dinamarquesas). Deixei tudo em branco.

PS.: clique nas imagens para ver em tamanho maior.

Opções para configuração do Ting
Opções para configuração do Ting

2 Alma configuration: opções de integração com Axiell library system pelo Alma API. (Tem até app pra Android!). Deixei tudo em branco.

Opções para configuração do Alma API
Opções para configuração do Alma API

Feito isso, fui para a página inicial:

Página inicial logo após a instalação
Página inicial logo após a instalação

Está aparecendo o seguinte erro, que não consegui nem entender o porque nem como corrigir:

user error: Trampoline unable to determine Drupal base path in /var/www/ding/profiles/ding/modules/trampoline/trampoline.inc on line 85.
user error: Trampoline unable to determine Drupal files path in /var/www/ding/profiles/ding/modules/trampoline/trampoline.inc on line 109.
user error: Trampoline unable to determine Drupal files path in /var/www/ding/profiles/ding/modules/trampoline/trampoline.inc on line 109.

O menu principal está em dinamarquês, mas clicando na parte de configurações (no canto superior esquerdo) aparece um menu de administração bem bacana [é do tema Rubik] em inglês:

Menu de administração com destaque para o item Library
Menu de administração com destaque para o item Library

Meu primeiro teste foi justamente inserir uma biblioteca física, como eles chamam. O formulário é composto de alguns campos personalizados, sendo que alguns estão em inglês e outros em dinamarquês. Achei legal o tooltip do campo descrição e a maneira como colocaram para habilitar o uso de editor WYSIWYG:

Tooltip bonito
Tooltip bonito

Os campos são:

Nome
Descrição
Tags / Palavras-chave
Imagens de conteúdo [Indholdsbilleder]
Imagem principal [Hovedbillede]
Imagem para alguma lista utilizando o Views (?) [Listevisningsbillede]
Links, incluindo título e URL

Depois tem campos para endereço, telefone e e-mail. O campo para país é uma lista de seleção com a Dinamarca já selecionada e não há campo para estado.

Horas: onde há uma tabela para indicar o horário de funcionamento conforme o dia da semana e conforme o escopo (todas as semanas, semana específica, uma série de semanas, etc.) [Åbningstider]
URL para a reserva de materiais (?): também permite escolher se o método para a reserva será por iframe ou popup. Imagino que isso se aplique a alguma das integrações possíveis, caso fossem selecionadas na instalação.
Tipo de biblioteca: exibe duas opções: página normal de biblioteca ou página tipo portal de biblioteca. Prenchi com a primeira opção.

Preenchi quase todos os campos e o resultado foi este:

Página de biblioteca (tipo normal)
Página de biblioteca (tipo normal)

Ele centralizou a imagem que eu coloquei como sendo a Imagem principal e no canto direito colocou os dados de contato e os links (no caso, coloquei só o “Site da Biblioteca”), além de criar link com o endereço para o site Rejseplanen, que aparentemente indica como chegar nos lugares da Dinamarca.

Achei legal, mas seria melhor se pudesse escolher (facilmente, sem ter que mudar no código-fonte mesmo) o serviço de mapas ou, ao menos, desabilitar.

Não gostei muito, também, disso de ser um pouco em inglês e um pouco em dinamarquês. Se aproveitaram a instalação em Inglês, podiam já ter feito tudo no mesmo idioma, né? Sem contar que os nomes dos campos, por exemplo, teriam de ser traduzidos na mão, não sei se teria como fazer de uma maneira que possibilitasse mais de um idioma.

Este foi o tipo de conteúdo Biblioteca que serve, portanto, para incluir dados de uma biblioteca física. Isso abre possibilidade para utilizar como um portal para várias bibliotecas, mesmo que talvez não façam parte de um mesmo sistema formalmente. (Lembrei do projeto Bibliotecas do Brasil, ainda existe?).

Os outros tipos de conteúdo são:

Blog post: postagem vinculada a uma biblioteca específica. Permite adicionar imagens, anexos e materiais. Esses materiais são referências a coleções ou objetos Ting, que podem ser feitos a partir de uma busca. Então, aparentemente, é necessário preencher aquelas configurações iniciais.

Campanha: segundo eles, é uma imagem pequena ou trecho de texto que aparece na página como uma propaganda. Conforme o tipo (apenas imagem ou apenas texto) exibe campo para adicionar o conteúdo. Oferece três temas: vermelho, azul e verde. Tem um campo chamado Destino da campanha (Kampagnedestination) que é obrigatório, mas não tem um texto de ajuda indicando o que exatamente é isso. Tem um tooltip bonito (e pouco acessível, pois não consigo selecionar o texto para copiar e colocar no Google Translate), mas fala algo de URL. Deve ser, portanto, o link para o qual a campanha aponta.

Evento: geralmente relacionado a uma biblioteca. Tem campo para data inicial e final (com calendário para seleção); valor de entrada (já com a unidade da coroa sueca – kr.); seleção da biblioteca (mas não é obrigatório); campos para imagens e anexos e novamente a referência a materiais Ting.

Infraestrutura/Serviço: relacionado a uma biblioteca, embora o campo não seja de preenchimento obrigatório. Tem campo para descrição e envio de imagens ou outros anexos.

Página: utilizada para conteúdos hierárquicos que não necessitem de atualizações constantes. Também possui campos para anexar imagens ou outros arquivos e para referencias materiais Ting.

Perfil de funcionário: permite criar um perfil com descrição, foto, tags, vincular funcionário a mais de uma biblioteca, indicar o cargo (Stilling), colegas de trabalho (Arbejder med). Na verdade, é para editar o perfil do próprio usuário que está logado, mas ficou estranho porque ele segue exibindo a possibilidade de adicionar um perfil (com link para node/add/profile), mas depois que tu salva ele diz que só pode existir um perfil por usuário. Para editar, tem que ir pelo caminho padrão do Drupal, que é entrar no perfil e clicar na aba Settings > Staff profile. O link deveria ser, então, user/*/edit/profile.

Tópico: coleção de links e objetos Ting referentes a um determinado assunto que pode (ou não) estar relacionado a uma biblioteca específica. Quando selecionado o tipo de item a inserir (link, texto ou Ting) ele exibe opções específicas.

Voltando ao menu principal:
Eventos [Arrangementer]: exibe lista dos eventos, com filtro por bibliotecas e link para RSS:

Lista dos eventos
Lista dos eventos

Bibliotecas [Biblioteker]: exibe lista das bibliotecas e um mapa (do Google Maps, não uma imagem) com a localização delas. Coloquei duas bibliotecas da mesma cidade (peguei daqui) para ficar legal no mapa. Depois incluí uma da minha cidade, com o endereço certinho, mas ele não reconheceu. Na URL da localização ficou: http://localhost/biblioteker?lat=0.000000&lon=0.000000, enquanto nas outras ele colocou certinho a posição.
Fica ainda mais legal neste exemplo real.

Lista das bibliotecas
Lista das bibliotecas

Recomendações [Anbefalinger]: aqui vão os tópicos.

Lista das recomendações (tópicos)
Lista das recomendações (tópicos)

Isso foi o que eu mexi rapidinho da ferramenta.

Achei a proposta bem bacana, pois ainda acho que faltam (principalmente no Brasil) ferramentas pra esse tipo de gerência, sem contar em opções de integração com softwares (tanto os livres quanto os pagos) que gerenciam os acervos. O desenvolvimento está muito voltado ao país deles, o que é perfeitamente compreensível, mas ruim quando se pensa em soluções livres, pois isso dificulta o uso em outros contextos sem que sejam feitas muitas alterações (o que implicaria em dificuldades na hora de atualizar para uma nova versão, por exemplo).

Além disso, não ficou claro pra mim o que são os Tings e como usar direito. É provável que isto esteja explicado no site ou na documentação, mas a barreira do idioma é grande.

O fato de eles terem desenvolvido em Drupal 6 também me deixa apreensiva, pois o Drupal 7 já está com quase 1 ano, o Drupal 8 está quase chegando e, pelo que eu li, as diferenças do 6 pro 7 são/serão maiores que do 7 pro 8. Então desenvolver em 2012 um sistema com base no Drupal 6 parece estar fadado à desatualização e/ou a migrações penosas de tabelas futuramente.

De qualquer maneira, acho que valeu conhecer a ferramenta, nem que seja para inspirar soluções semelhantes voltadas à nossa realidade.

1 comentário sobre “ding.TING : projeto open source para bibliotecas”

  1. Pingback: ding.TING : projeto open source para bibliotecas | Blog LFreitas ... | Biblioteca20 | Scoop.it

Deixe uma resposta